Curitiba vacinou 1.389.142 pessoas contra a covid-19

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba imunizou, até segunda-feira (13/9), 1.389.142 pessoas com a primeira dose da vacina anticovid ou com o imunizante de dose única (Janssen).

Até o momento, 1.351.193 curitibanos receberam a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus. Desse total, foram vacinados: 831.505 pessoas da população em geral (convocadas por idade); 213.389 idosos com 65 anos ou mais; 116.750 pessoas com comorbidades; 13.012 gestantes e puérperas; 8.204 pessoas com deficiência; 82 indígenas; 1.141 pessoas em situação de rua; 7.015 moradores, funcionários e cuidadores de instituições de longa permanência; 97.910 profissionais dos serviços de saúde da cidade (incluindo as equipes de vacinação); 16.356 trabalhadores das forças de segurança; 42.593 educadores (entre professores e trabalhadores da Educação Básica e Ensino Superior) e 1.252 trabalhadores da limpeza pública.

Imunização completa

Em Curitiba, 711.966 pessoas receberam a segunda dose da vacina até segunda-feira (13/9) e outras 37.949 pessoas receberam a vacina em dose única, completando esquema vacinal anticovid.

A cidade já aplicou 2.103.687 unidades da vacina anticovid – primeira, segunda dose, dose única e dose de reforço.  Ao todo, 96% da população de Curitiba acima de 18 anos já receberam ao menos uma dose.

Doses recebidas

Até o momento, Curitiba recebeu do Ministério da Saúde, repassadas pelo Governo do Paraná, 2.340.036 doses de vacinas, sendo 1.380.866 para primeira dose, 920.195 para segunda dose e 38.975 doses de aplicação única. Nesse montante já estão contabilizados os 5% de reserva técnica.

A reserva técnica é uma medida de segurança, faz parte dos protocolos da logística e é necessária para evitar problemas no fluxo de imunização que possam ser causados por imprevistos eventuais, como por exemplo, quebra acidental de frascos.

O município tem capacidade para vacinar até 30 mil pessoas por dia e o avanço do cronograma de imunização ocorre à medida que as doses são enviadas pelo Ministério da Saúde ao governo estadual, responsável por distribuir os lotes do imunizante aos municípios.